segunda-feira, julho 28, 2008

A beleza de ser indeciso

Uma das coisas que mais gostei no Brasil foi o conceito comercial de algumas sorveterias que nos permitiam fazermos nossos próprios sorvetes: número de bolas, sabores, coberturas e outras tantas coisas. Gostei porque eu, pessoa indecisa para pequenas coisas, nunca consigo decidir os sabores numa gelataria

portuguesa. Provo um sabor atrás do outro para poder escolher os dois sabores que quero no copo!

Se vou ao cinema, com amigos, só por ir, aceito ver qualquer filme, pois a decisão por três opções é-me incomodativa. Os outros que escolham! Não me quero cansar na decisão.

E, segundo o texto de 22 de Julho da SCIAM, até faço bem em ser indeciso para as pequenas coisas da vida. Costumo dizer que tenho três certezas apenas e mais nada é certo: a minha fé, a minha profissão e o país no qual quero residir. Todo o resto é acessório.

Kathleen Vohs e co. comprovaram que as mais simples das decisões pode influenciar negativamente as grandes decisões. Por exemplo, quem tomava muitas decisões num shopping mais dificilmente persistiam e resolviam adequadamente problemas aritméticos. Ou estudantes que puderam optar entre diversas disciplinas, acabavam por adiar a preparação para um exame importante. A mente, cansada de decidir, parece não aguentar novas e importantes decisões.

Anastasiya Pocheptsova e co., por sua vez, descobriram que pessoas que focam a atenção num ou noutro aspecto, são mais propensos a decidir mau. Por uma razão: análise de mais parâmetros leva a mente a buscar os mais simples e inferiores. Num dos estudos, antes de tomar a decisão, foi pedido a parte dos participantes que ignorassem um aspecto do estímulo visual e a outros não foi dada nenhuma instrução: os que tiveram que ignorar, provavelmente atentos ao tema para poderem ignorá-lo, acabavam por escolher uma opção próxima à melhor opção (mas não a melhor). Assim, a excessiva atenção pode levar à má decisão.

Assim sendo, não decidir coisas triviais pode até ser mais salutar, uma vez que nos deixa mais preparado para o que realmente importa!

Etiquetas: ,

4 Comentários:

Anonymous Paloma disse...

yes, i did like it =)

28 julho, 2008 22:07  
Blogger Roseane, disse...

Eu sou terrível para escolher coisas triviais. Em Macapá escolho sempre o mesmo sorvete, tapioca. Em Belém, o paraense, já aqui em Heidelberg, é mais díficil, tento experimentar sempre alguma coisa nova...

29 julho, 2008 12:46  
Blogger Ricardo Rayol disse...

achei a relação interessante. eu gosto de tomar decisões, ainda mais sob pressão.

29 julho, 2008 16:06  
Blogger SAM disse...

Ricardo, esse seria um bom tema para outro post, pois é apenas um mito que nós decidimos melhor sob pressão: decidimos mais rápido, mas não melhor.

Paloma wellcome! hehehe. brasuka com mania de falar gringuês... :p

Roseane, na Alemanha, comigo, é quase sempre o mesmo: sorvete de Apfel! Unsere Freunde aí são especialistas em saber fazer coisas incríveis com maçã...

29 julho, 2008 21:05  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial