segunda-feira, junho 18, 2007

Uma ponte para a Vida

Vi Terabithia, lá estive, lá sorri e lá chorei. Estive em Terabithia, onde os sonhos se convertiam em realidade. Sonhei com Terabithia, onde a magia não tem idade. Tive essa sorte, pois o filme já está disponível nalguns mercados no formato de DVD e noutros ainda segue nos cartazes de cinema.
Aproveitei o feriado de quarta-feira e fui ao cinema. A única sessão do dia, logo cedo! Não ia perder a última oportunidade de ver um filme que coadunava a magia da infância com a seriedade da adultez.

Lá fui. Cheguei ao Shopping, comprei o ticket e vi a matinée.


O filme não era nada do que eu esperava. Não vi dragões mágicos, não vi varinhas de condão, nem fadas cintilantes. Vi uma menina e um menino: Jesse, o único filho (rapaz entre três irmãs: dois desastres, mais velhas, e um anjo, mais nova) de uma família com escassas condições financeiras, maltratado por dois colegas patéticos e que não vê o amor que o pai (brilhante actuação!) lhe expressava (porque não sabia bem como expressar!); e Leslie, a menina dos olhos de ouro dos pais (escritores-natos) e dos professores.

Leslie chega e, aos poucos, demonstra ao espectador que o amor surge da amizade. Jess retribui com dificuldade. Mas não pensem que o filme é uma história de amor ao bom estilo romântico. É muito mais!

Leslie é imaginativa nas palavras, Jess é exímio nas imagens. Juntos, os dois criam um mundo de fantasias nos quais eles dominam, um mundo chamado Terabithia, no qual não há limites.

Mas a fantasia, algum dia acaba. O espectador choca-se. As crianças choram e algumas saem da sala. Algo muda naquele mundo perfeito e romantizado. Alguém percebe que as oportunidades não podem ser deixadas para trás. Alguém percebe que o sonho limita a vida. A comédia se converte em drama para se converter, depois, em vida real. O espectador-mirim aprende o que é a culpa, aprende o que é a vida, aprende o que é crescer. O espectador-adulto sabe o que é a culpa e por isso percebe o que é a responsabilidade, sabe o que é a vida por isso alegra-se de nela estar, e sabe o que é crescer por isso adora a nostalgia da infância.

É em Terabithia que se ergue uma ponte onde a adultez e a infância se encontram. É lá que o onírico e o desperto se fundem. É lá que percebemos que é possível andar o caminho espiritual com pés práticos.

Ergamos uma ponte à Terabithia!


Etiquetas: , , , ,

1 Comentários:

Blogger terabithia disse...

é d+ adorei o filme

30 outubro, 2008 23:57  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial