quarta-feira, julho 04, 2007

Re-Evolução

Em 1852, no Médio Oriente, matavam a poetisa Táhirih por defender o direito das mulheres, oprimidas por uma falsa religiosidade. Ela retirara publicamente o seu véu e, no momento da sua execução, afirmara: “podeis matar-me, mas não podeis impedir a causa da emancipação da mulher!

Quão não é a minha alegria, hoje, que me recordo dessa história, pois esta personagem, que nos há-de marcar por séculos vindouros, era uma das muitas que defendia somente a igualdade de oportunidades e a democracia.

E, pergunto-me: não é isso que todos nós aspiramos?

Viver na verdadeira democracia? Viver numa sociedade onde cada opinião realmente conta, não apenas num boletim de voto e com uma cruz, mas onde os governantes querem a real participação dos “governados”?

Não será também isso que as pessoas anseiam encontrar algum dia?

Vivemos numa sociedade erguida a partir de revoluções: a revolução francesa da igualdade, liberdade e fraternidade como motrizes de uma cultura verdadeiramente social; a revolução industrial com o progresso dos meios de subsistência e de vida; a revolução freudiana com uma nova visão do ser humano, para além das aparências; a revolução quântica, que permite pensar em microssistemas coerentes e que seguem regras; mais a revolução do 7 de Setembro e do 25 de Abril e a revolução do 4 de Julho, as revoluções da liberdade humana contra a opressão.

Revolução! Essa é a palavra que nos faz erguer!!!

Para evoluir, precisamos de re-voluir.

Ou talvez não…

Etiquetas: , , , , ,

1 Comentários:

Anonymous Cejunior disse...

Concordo com você. Re-evoluir sempre. Como dizia a velha canção do Muddy Waters, "as pedras que rolam nunca criam limo"!
Parar (se conformar) é desistir. E perder todo o sentido.
Um abraço.

06 julho, 2007 20:57  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial