sábado, outubro 06, 2007

Poetisa ulatempa

Os céus arderam, as estrelas
bradaram
E sob as cinzas do infinito,
Esperança, assustada e sangrando,
Respirou o seu fim.

Poetisa ulatempa
"Elegy for the Commonwealth"
CY 9823


Trad. por Sam
do original inglês.

Etiquetas: , ,

3 Comentários:

Blogger luma disse...

Sam, obrigada pelo comentário tão bem colocado.
Não conheço a poetisa Ulatempa - mas sei de antemão que no passado as pessoas contemplavam a natureza com carinho e medo, respeito por assim dizer.
Quanto a Ana Virgínia, eu fiz uma outra postagem que está nos arquivo, se interessar mesmo, passo-lhe.
Resumidamente Ana Virgínia é uma brasileira que se envolveu a dois anos atrás com um português de nome Nuno, jogador do Benfica. No último tempo ela foi à Portugal encontrá-lo para tentar vida em comum, mas viu que ele não simpatizava com o filho de 6 anos, resolveu voltar. Estando no Hotel, o filho teve crise convulsiva, mal que já padecia aqui no Brasil. Ela sem conhecer ninguém além de Nuno, procurou por ele para socorrê-la. Finito da história. O filho padeceu e ela tentou cortar os pulsos em desespero. Foi presa para averiguação de suspeita de matar o filho. Talvez tenha sido espancada na prisão, pois apresenta paralisação de um lado do corpo. Queremos que ela seja enviada de volta para o Brasil ou que seja acompanhada por uma autoridade. O que não pode é uma pessoa proveniente de boa família, de bons princípios estar presa em um lugar de alta periculosidade.
Se puder, leia a petição que entenderá melhor.
Obrigada pelo interesse.
Beijus

08 outubro, 2007 19:15  
Anonymous Cejunior disse...

“Voltea, gira, rueda en el torbellino. Debes saber que cuando se acabe la fiesta no habrá un segundo baile”
Poetisa Ulatempa, Ritmos, C9825
Achei esses versos no site em espanhol do Scifi Channel e me parece ser do seriado Andromeda.
Nunca tinha ouvido falar desse personagem, se bem que não acompanho essa série..
Mas os versos são bonitos e desesperançados, não é ?
Um abração.

08 outubro, 2007 21:45  
Blogger SAM disse...

Luma e Cejunior, a Poetisa Ulatempa, é uma figurante na saga da série "Andromeda" que acontece daqui a milhares de anos (supostamente).

Pelo que eu percebo dos seus versos que aparecem nalguns episódios, ela tenta recaptar o estilo ancestral de poesia no qual a mística estava presente e incorporá-la na filosofia pragmática de um futuro sem esperança que havia começado 200 anos antes da sua vida e que estaria por terminar 100 depois (se bem que ela não deveria saber que a situação viria a melhorar...).

Obrigado pelos comentários.

09 outubro, 2007 12:50  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial